Vamos passar por um grande desafio na retomada!

Vamos precisar de todos!

A retomada das atividades presenciais nas escolas vai demandar um reforço ainda maior do nosso senso de comunidade.

Estamos atravessando um momento nebuloso. As nuvens tem se movimentado e, por alguns instantes podemos pensar que elas estão indo embora, mas elas tornam a ocupar o espaço e deixar novamente nossa visão turva.
A retomada das atividades presenciais na escola vai demandar muita atenção a desafios que podem se apresentar.

Pode ser que as crianças manifestem o que podemos chamar de “efeito não é a mamãe”.

Elas passaram muito tempo em casa, com uma nova rotina, com a família. E certamente haverá um estranhamento neste retorno ao espaço escolar.
Neste período de isolamento, fomos investigando formas de manter o vínculo com as crianças. Uma delas foi a conversa mediada por telas por meio de vídeos educativos e aulas ao vivo. Vimos nisso um paradoxo, mas acreditamos que devemos olhar para este fato com temperança.
Em um mundo pré-pandemia, uma vivência atípica, que foge dos padrões do dia-a-dia da escola, sempre fomos grandes defensores de que crianças pequenas tenham nenhum contato com telas, mas na realidade em que estamos as famílias precisam lançar mão deste recurso como apoio para realizar tarefas cotidianas e aprender.

Aconselhamos as famílias a buscarem equilíbrio e estarem presentes quando estão com as crianças, respeitando o ritmo e desejo de cada um, sem negligenciarem o momento de estar com elas. Estejam integralmente presentes, acompanhando as aulas e participando junto.
Quando estas crianças voltarem para a escola, todo esse acúmulo virá com elas.

E como não fazer da escola um lugar de extensão da interdição? Este é um desafio imenso. As crianças pequenas não vão compreender a necessidade do isolamento.
Como dizer que elas não podem se tocar? Se abraçar? A saída está em medidas de higiene e cuidados que sempre foram o ponto de partida para prevenção de doenças contagiosas. Lavar as mãos é fundamental, trocar o sapato na entrada da escola, passar álcool gel várias vezes ao dia são essenciais.

As máscaras não são recomendadas para crianças com menos de dois anos e as maiores deverão usar e trocar o acessório a cada duas horas.
Já estamos tomando iniciativas que buscam refletir sobre a retomada no sentido pedagógico. Já existem planejamentos que atendam as crianças que não voltarão às aulas presenciais neste primeiro momento.
A principal questão para a retomada envolve a criação de um “pacto coletivo de respeito pelo outro e também pela vida”.
Entendendo a escola como o lugar do comum e do coletivo, vamos precisar de uma conversa instrutiva, para entender a configuração da escola como grupo e pensar as corresponsabilidades para este retorno. O desafio está no fato de que talvez não seja possível fazer isso sem ser invasivo.
Pouco se sabe – mesmo no universo da medicina – sobre as possíveis soluções. A ciência também tem acompanhado a dinâmica intensa das mudanças que estamos vivendo.

Por isso é importante compreender que os entendimentos que temos hoje são compreensões possíveis de se ter hoje. E amanhã pode ser que aconteça um fato novo que vai trazer novas evidências e mexer no pouco que sabemos.
Hoje, sabemos que é preciso higienizar as superfícies a cada contato e também brinquedos e objetos em geral. As chupetas devem ser higienizadas constantemente com água e sabão, mas esta pode ser uma grande oportunidade para abandonar o hábito.
Hoje, também é possível afirmar que as crianças são pouco impactadas pelo vírus. Elas transmitem pouco e não são bons vetores. No entanto, elas podem contrair a doença e sim, elas são transmissoras do vírus. Ou seja, as crianças também precisam estar envolvidas neste grande pacto coletivo que hoje diz respeito a medidas de isolamento e, em um eventual retorno.
A lista de novas regras vai causar estranhamento e o esforço para preservar os combinados será grande. As regras são chatas mesmo. E no começo vai ser difícil. Mas depois, as regras que fazem sentido se tornam hábitos.

Para isso, contamos com o apoio e a ajuda dos pais Villa Kids para anemizarmos este retorno, para que nossa vivência seja a melhor possível!

Mas o mais importante disso tudo, é que finalmente poderemos nos reencontrar!

@villakidsescolainfantilsustentavel

0 respostas

Deixe uma resposta

Want to join the discussion?
Feel free to contribute!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *